O que fazer quando um relacionamento acaba - mas seus sentimentos não

Atualizado: 6 de Jun de 2019



Seja com um parceiro, membro da família, amigo, chefe ou colega, terminar um relacionamento é difícil. Mas ainda mais difícil pode ser o que vem depois. Enquanto términos acontecem, às vezes ficamos presos - presos a sentimentos não resolvidos, dúvidas e ansiedades que parecem preencher todos os nossos espaços vazios.


"Vamos chamar de negócio inacabado", diz Antonio Pascual-Leone, psicólogo clínico e chefe do Laboratório de Mudança Emocional da Universidade de Windsor, no Canadá, em uma palestra TEDxUniversity of Windsor. "A maioria das pessoas pensa que seguir em frente é apenas uma questão de tempo... mas se você se sentir arrasado, não vai ser tão simples quanto dormir de ressaca".


Pascual-Leone tem examinado este processo. Ele diz: "Acontece que as pessoas que resolvem esses problemas muitas vezes passam por três etapas distintas." Ele acrescenta: "É um processo confuso, não-linear, de dois passos para frente, um passo para trás...e você pode ficar preso em qualquer lugar nesse gasoduto. A boa notícia é que também sabemos um pouco sobre como tirar as pessoas de cada um desses pontos.”


Passo 1: Desvendar e identificar seus sentimentos


Pascual-Leone compartilha a história de uma mulher que assumiu um profissional júnior em seu trabalho. Ela passou um tempo significativo orientando-o, e eles desenvolveram uma grande parceria - até que ele a deixou abruptamente. Ao falar com ele sobre isso, de acordo com Pascual-Leone, “a empresária me falava sobre as convenções da indústria e coisas assim, e ela diz: 'Eu vou me encolher. E se ele estiver lá? Vai ser tão estranho. Eu não sei!"


Curiosamente, essa última frase - “não sei” - é a parte mais reveladora para Pascual-Leone. Por quê? Revela o "sentimento de uma angústia muito global" da mulher, diz ele. “É como 'Estou tão chateada e não sei por que é tão horrível'.” Se você já se sentiu assim, provavelmente empurrou esses sentimentos para debaixo do tapete para lidar mais tarde. “É como se a pessoa achasse que pode esperar uma tempestade passar por cima dele. Mas enquanto você está evitando o problema, quase nada muda”, explica Pascual-Leone. Sua solução: "Entre aí".


Como lidar:

Muitas vezes, os sentimentos mais dominantes após o término de um relacionamento são raiva e tristeza, e estes podem se fundir em uma bola densa - Pascual-Leone compara com uma massinha de modelar. Ele diz: "Você precisa levar algum tempo para evocá-los, encontrar as palavras certas e descrever o que é tão horrível, estranho ou difícil".


Para fazer isso, pergunte a si mesmo: “Onde dói?” e “Qual é a pior parte disso?”

Se você quer superar o sentimento de estar chateado, de vazio, de se sentir sozinho de forma geral, então você tem que ter tempo para se concentrar nos sentimentos que você tem e descobrir o que dói mais.


Passo 2: Entenda o que você realmente precisa


Depois que um relacionamento termina, algumas pessoas sabem exatamente o que mais o magoa, mas estão presas em um ciclo de autocensura - muitas vezes, porque o intervalo "despertou sentimentos mais profundos, mais antigos e feios".

Eles podem pensar: “O que aconteceu foi minha culpa; talvez eu mereça ser maltratada ou negligenciada ” ou “É verdade - eu sou incompetente / não amável / desinteressante".

Essas pessoas “não estão evitando; eles não estão desorientados como no primeiro passo. Eles se pegam se espancando sobre algo relacionado ao relacionamento”.


Como você pode dizer se é você? "Você se sente vulnerável e quebrado, mas é algo familiar de certa forma", diz Pascual-Leone. “É a mesma velha história; você já esteve aqui antes.”


Como lidar:

Pergunte a si mesmo: “O que eu mais profundamente preciso?” Essas não são necessidades superficiais, como “eu preciso de um parceiro para viajar”, “eu preciso de um chefe que goste das minhas idéias” ou “eu preciso de um irmão que se preocupe com o nosso pai". Estas necessidades também não são relacionadas à pessoa com quem aconteceu o término, como: "Eu preciso da sensação de segurança que ela me deu" ou "Eu preciso do jeito que ele olhou para mim."


Em vez disso, você está considerando suas necessidades existenciais mais profundas, "o que você precisa para florescer como um ser humano", diz Pascual-Leone. Estes podem ser “preciso sentir que sou importante”, “preciso me sentir amado”, “preciso sentir que tenho valor” ou “preciso sentir que alguém conhece o meu verdadeiro eu”.


Há uma boa chance de que sua necessidade e o fim de seu relacionamento estejam em conflito entre si - por exemplo, “preciso me sentir valioso, mas nosso divórcio me faz sentir descartável.” É nessa contradição, diz Pascual- Leone, "onde a mudança começa a acontecer". Ele acrescenta: "Mesmo que você não tenha direito a isso, coloque pra fora".


Passo 3: Revise o fim do relacionamento e veja o que foi perdido


Para o passo final do processo, você precisa voltar para como o relacionamento terminou, olhar para o que você perdeu e trabalhar com esses sentimentos. Freqüentemente, isso significa explorar e expressar raiva e tristeza, e lidar com o último pode ser surpreendentemente complicado.


“Quando trabalhamos com a tristeza, geralmente nos concentramos nas coisas boas - 'nunca nos reuniremos novamente para um churrasco' ou 'não haverá mais jantares familiares na quarta-feira'. Você tem que dizer adeus a essas coisas e colocar pequenas lápides para elas”, diz Pascual-Leone. “Mas uma das razões pelas quais as pessoas têm dificuldade em terminar o processo de luto é porque há também muitas perdas não declaradas - as esperanças, os sonhos que vocês tiveram juntos.”


Para um casal se divorciar depois de um breve casamento, a perda pode ser as crianças que nunca nascerão; para uma parceria comercial, é o grande projeto que nunca será lançado.


Como lidar:

Pergunte a si mesmo: "Com o que eu me ressinto?", "O que eu sinto falta?" e "Que sonhos e esperanças eu preciso dizer adeus?"

Essas não são perguntas fáceis de serem feitas ou respostas fáceis de absorver, e explorá-las pode exigir esforço e tempo. Mas é uma parte crítica do trabalho através do fim de um relacionamento. "A emoção saudável tem uma curva de vitalidade", diz Pascual-Leone. "Emerge, você sente, expressa e depois termina."


Veja o seu TED x University of Windsor falar agora:



Fonte: ideas.ted.com/how-to-cope-with-the-end-of-a-relationship/ (traduzido e adaptado)


Esta postagem não substitui a psicoterapia.

Procure um profissional da área para ajudá-lo.


Ivana Siqueira

Psicóloga Clínica

CRP 05|40028


Rio de Janeiro - RJ

contato@ivanapsicologia.com

0 visualização

Atendimento presencial e online

Endereços:

Saens Pena Medical Center

Rua Conde de Bonfim, 255

Tijuca, Rio de Janeiro, RJ

Barra Point Shopping

Av. Armando Lombardi, 350

Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ

Contato:

Horários:

Tijuca

Segunda: 10h às 20h

Terça: 08h às 20h

Quinta: 08h às 20h

Sexta: 08h às 20h

Barra da Tijuca

Quarta: 10h às 21h

  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle

© 2018 by Ivana Siqueira. Todos os direitos reservados.