2.

Terapia Focada em Esquemas

A Terapia do esquema é um modelo de psicoterapia cognitiva focalizado no tratamento de diversos transtornos de personalidade. Tem como objetivo mudar a forma de encarar, interpretar e reagir aos estímulos, que chamamos de esquema.

 

Os Esquemas são estabelecidos na infância a partir da relação da criança com os cuidadores e por terem sido eficazes em algumas situações são interpretados como eficazes em diversas outras situações persistindo até a idade adulta.

Os Esquemas podem levar a baixa autoestima, falta de conexão com os outros, problemas para expressar sentimentos e emoções; e preocupação excessiva com questões básicas de segurança. As crenças também podem criar forte atração por parceiros inadequados e levar a carreiras insatisfatórias.

 

primeira parte da terapia consiste em identificar esses esquemas através de uma série de avaliações, relacioná-los aos problemas do presente e a compreender as suas origens no passado. 

 

A segunda parte é a mudança de esquema, onde você é estimulado ativamente a mudar seu esquema de pensamentos desadaptativos para algo mais saudável e eficiente usando registros de pensamento, imagens mentais e exemplos contextualizados às exigências atuais.

 

Por fim, na terceira parte, envolve mudanças efetivas de comportamento a longo prazo.

Lista de esquemas:

  • Privação Emocional: A crença e a expectativa de que suas necessidades primárias nunca serão atendidas. A sensação de que ninguém vai nutrir, cuidar, guiar, proteger ou ter empatia por você.

  • Abandono: A crença e a expectativa de que os outros vão embora, que os outros não são confiáveis, que os relacionamentos são frágeis, que a perda é inevitável e que você acabará sozinho.

  • Desconfiança/Abuso: A crença de que os outros são abusivos, manipuladores, egoístas ou procuram ferir ou usar você e não são confiáveis.

  • Defectividade: A crença de que você é falho, danificado ou não amado e, portanto, será rejeitado.

  • Isolamento Social: A sensação generalizada de solidão, juntamente com um sentimento de alienação.

  • Vulnerabilidade: A sensação de que o mundo é um lugar perigoso, que um desastre pode acontecer a qualquer momento e que você ficará sobrecarregado pelos desafios que estão por vir.

  • Dependência/Incompetência: A crença de que você é incapaz de tomar suas próprias decisões, que seu julgamento é questionável e que você precisa confiar nos outros para ajudá-lo nas responsabilidades do dia-a-dia.

  • Emaranhamento/O "Eu" não desenvolvido: A sensação de que você não tem uma identidade ou um “eu individualizado” separado de uma ou mais pessoas significativos.

  • Fracasso: A expectativa de que você irá falhar ou a crença de que você não pode ter um desempenho suficientemente bom.

  • Subjugação: A crença de que você deve se submeter ao controle de outros ou então a punição ou a rejeição virá.

  • Auto sacrifício: A crença de que você deve desistir voluntariamente de suas próprias necessidades pelo bem dos outros, geralmente de forma excessiva.

  • Busca de Aprovação/Busca de Reconhecimento: A sensação de que aprovação, atenção e reconhecimento são muito mais importantes do que a autoexpressão genuína e ser fiel a si mesmo.

  • Inibição Emocional: A crença de que você deve controlar sua autoexpressão ou os outros irão rejeitá-lo ou criticá-lo.

  • Negatividade/Pessimismo: A crença generalizada de que os aspectos negativos da vida superam os positivos, juntamente com as expectativas negativas para o futuro.

  • Padrões Inflexíveis: A crença de que você precisa ser o melhor, sempre buscando a perfeição ou que você deve evitar erros.

  • Punição/Postura Punitiva: A crença de que as pessoas devem ser punidas severamente por seus erros ou deficiências.

  • Arrogo/Grandiosidade: A sensação de que você é especial ou mais importante do que os outros, e que você não precisa seguir as regras como as outras pessoas, mesmo que isso possa ter um efeito negativo sobre os outros. Também pode se manifestar em um foco exagerado na superioridade com o objetivo de ter poder ou controle.

  • Autocontrole/Autodisciplina insuficiente: A sensação de que você não pode atingir seus objetivos, especialmente se o processo contiver aspectos chatos, repetitivos ou frustrantes. Além disso, que você não pode resistir a agir de acordo com impulsos que levam a resultados prejudiciais.

Autoteste rápido para esquemas

Identifique se os esquemas estão prejudicando sua vida respondendo SIM ou NÃO às seguintes perguntas:

  • Você se sente atraído pelo mesmo tipo de parceiro repetidamente, mesmo se casando várias vezes, mas descobre que suas necessidades não são atendidas nesses relacionamentos?

  • Você reage exageradamente ao mesmo tipo de situação repetidas vezes? (“gatilhos emocionais”)

  • Você se sente preso em alguma área (trabalho, relacionamento, família, namoro, doença, terapia) e se sente incapaz de seguir em frente?

  • Você experimenta muitos conflitos em sua família ou relacionamentos próximos?

  • Você notou que tem repetidos problemas físicos ou emocionais que o desgastam?

  • Você já tentou ou está tentando terapia, mas ainda está preso sem saber o que há de errado com você?

  • Você tem vícios? álcool, cocaína, comida, sexo, maconha, jogos de azar, medicamentos prescritos, gastos compulsivos...

  • Mesmo quando você acha que tem um vício sob controle, os outros vícios ainda criam problemas? Por exemplo, você pode parar de beber, mas não consegue controlar os gastos ou o uso de pornografia?

Se você respondeu “sim” a qualquer uma dessas perguntas, você pode ter um ou vários esquemas que estão agindo como obstáculos interferindo em seus relacionamentos, sua capacidade de dizer o que quer ou sente, seu pensamento independente (tomada de decisão) sua autoestima e seu comportamento em relação aos outros.

Terapia Focada nos Esquemas