Endereços:

Saens Pena Medical Center

Rua Conde de Bonfim, 255

Tijuca, Rio de Janeiro, RJ

Barra Point Shopping

Av. Armando Lombardi, 350

Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ

Contato:

Horários:

Tijuca

Segunda: 10h às 20h

Terça: 08h às 20h

Quinta: 08h às 20h

Sexta: 08h às 20h

Barra da Tijuca

Quarta: 15h às 21h

  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle

© 2018 by Ivana Siqueira. Todos os direitos reservados.

Por que a rejeição dói tanto - e o que fazer sobre isso

Atualizado: 19 de Mai de 2019



O psicólogo Guy Winch compartilha algumas dicas práticas para acalmar a dor da rejeição.

Rejeições são as feridas emocionais mais comuns que sofremos na vida diária. Nosso risco de rejeição costumava ser limitado pelo tamanho do nosso círculo social imediato ou encontros de namoro. Hoje, graças a comunicações eletrônicas, plataformas de mídia social e aplicativos de namoro, cada um de nós está conectado a milhares de pessoas, sendo que qualquer uma das quais pode ignorar nossos posts, chats, textos ou perfis de namoro, nos fazendo sentir rejeitados como resultado.

Além dessas pequenas rejeições, ainda estamos vulneráveis ​​a rejeições graves e mais devastadoras. Quando nosso cônjuge nos abandona, quando somos demitidos de nossos empregos, esnobados por nossos amigos ou marginalizados por nossas famílias e comunidades pelas nossas escolhas de estilo de vida, a dor que sentimos pode ser absolutamente paralisante.

Se a rejeição que experimentamos é grande ou pequena, uma coisa permanece constante - ela sempre dói e geralmente dói mais do que esperamos.

A questão é, por quê? Por que estamos tão incomodados por um bom amigo que não consegue “curtir” a foto de férias que postamos no Instagram? Por que isso estraga o nosso humor? Por que algo tão aparentemente insignificante nos faria sentir raiva de nosso amigo, mal-humorado e mal com relação a nós mesmos?

O maior dano que a rejeição causa é geralmente auto-infligida. Quando a nossa autoestima está ferida, vamos e danificamo-lo ainda mais.

A resposta é - nossos cérebros estão preparados para responder dessa maneira. Quando os cientistas colocaram pessoas em aparelhos de ressonância magnética funcional e pediram a eles que se lembrassem de uma rejeição recente, descobriram algo incrível. 

As áreas do nosso cérebro que são ativadas quando experimentamos a rejeição são as mesmas que quando sentimos dor física. É por isso que mesmo pequenas rejeições doem mais do que achamos que deveriam, porque provocam dor literal (embora emocional).

Mas por que nosso cérebro está conectado dessa maneira? Psicólogos evolucionistas acreditam que tudo começou quando éramos caçadores que viviam em tribos. Como não poderíamos sobreviver sozinhos, ser condenado ao ostracismo de nossa tribo era basicamente uma sentença de morte. Como resultado, desenvolvemos um mecanismo de alerta antecipado para nos alertar quando corríamos o risco de ser “expulso da ilha” por nossos membros - e isso era rejeição. As pessoas que sentiram a rejeição como mais dolorosa foram mais propensas a mudar seu comportamento, permanecer na tribo e transmitir seus genes.

É claro que a dor emocional é apenas uma das formas que a rejeição impacta nosso bem-estar. As rejeições também prejudicam nosso humor e nossa autoestima, provocam ondas de raiva e agressão e desestabilizam nossa necessidade de “pertencer”.

Infelizmente, o maior dano que a rejeição causa é auto-infligida. De fato, nossa resposta natural ao ser abandonado por um parceiro ou ser escolhido por último no time de futebol da escola não é apenas lamber nossas feridas, mas nos tornarmos intensamente autocríticos. Nós nos xingamos, lamentamos nossas deficiências e nos sentimos enojados com nós mesmos. Em outras palavras, quando a nossa autoestima está prejudicada, nós a prejudicamos ainda mais. Fazer isso é emocionalmente insalubre e psicologicamente autodestrutivo, embora cada um de nós tenha feito isso uma vez ou outra.

A boa notícia é que existem maneiras melhores e mais saudáveis ​​de reagir à rejeição, coisas que podemos fazer para refrear as respostas doentias, acalmar nossa dor emocional e reconstruir nossa autoestima. Aqui estão apenas alguns deles:


1. Tolerância Zero para Autocrítica

Por mais tentador que seja listar todos os seus defeitos após uma rejeição, e por mais natural que pareça se castigar pelo que você fez “errado” - não faça! Revise o que aconteceu e considere o que você deve fazer diferente no futuro, mas não há absolutamente nenhuma razão para ser punitivo e autocrítico ao fazê-lo. Pensando: "Eu provavelmente deveria evitar falar sobre o meu ex no meu próximo primeiro encontro", está bem. Pensar: “Eu sou uma fracassada!” Não.

Outro erro comum que cometemos é assumir que a rejeição é pessoal quando não é. A maioria das rejeições, seja romântica, profissional e até social, deve-se ao “ajuste” e às circunstâncias. Passar por uma pesquisa exaustiva de suas próprias deficiências, em um esforço para entender por que não "deu certo", não é apenas desnecessário, mas enganoso.


2. Recupere sua autoconfiança


Quando sua autoestima leva um golpe, é importante lembrar-se do que você tem a oferecer (em vez de listar suas deficiências). A melhor maneira de aumentar os sentimentos de autoestima após uma rejeição é afirmar aspectos de si mesmos que você sabe que são valiosos. 

Faça uma lista das cinco qualidades que você tem que sejam importantes ou significativas - coisas que fazem de você uma boa pessoa para um relacionamento (por exemplo, você é solidário ou emocionalmente disponível), um bom amigo (por exemplo, você é leal ou bom ouvinte) ou bom funcionário (por exemplo, você é responsável ou tem uma forte ética de trabalho). Em seguida, escolha um deles e escreva um ou dois parágrafos rápidos (escreva, não apenas faça isso em sua cabeça) sobre por que a qualidade é importante para os outros e como você a expressaria na situação relevante. Aplicar os primeiros socorros emocionais dessa maneira aumentará sua autoestima.


3 - Aumente os sentimentos de conexão social


Como animais sociais, precisamos nos sentir desejados e valorizados pelos vários grupos sociais com os quais somos afiliados. Rejeição desestabiliza a nossa necessidade de pertencer, deixando-nos sentir inquietos e socialmente desajustados. Portanto, precisamos nos lembrar de que somos apreciados e amados para que possamos nos sentir mais conectados e fundamentados. Se os seus colegas de trabalho não o convidarem para almoçar, tome uma bebida com os amigos do curso. Se seu filho for rejeitado por um amigo, faça um plano para que ele encontre um amigo diferente e o mais rápido possível. E quando após um primeiro encontro a pessoa não retornar suas mensagens, ligue para seus avós e lembre-se de que sua voz só traz alegria para os outros.

Rejeição nunca é fácil, mas saber como limitar o dano psicológico que inflige, e como reconstruir sua auto-estima quando isso acontece, irá ajudá-lo a se recuperar mais cedo e seguir em frente com confiança no próximo encontro ou evento social.

Se a rejeição for um grande problema pra você e estiver causando grande sofrimento emocional, procure um profissional de psicologia para ajudá-lo; você pode aprender a lidar com este sentimento de forma mais saudável e reparar os danos na sua autoestima.


Fonte: https://ideas.ted.com/why-rejection-hurts-so-much-and-what-to-do-about-it/ (Adaptado)


Esta postagem não substitui a psicoterapia.

Procure um profissional da área para ajudá-lo.


Ivana Siqueira

Psicóloga Clínica

CRP 05|40028


Rio de Janeiro - RJ

contato@ivanapsicologia.com



36 visualizações