Como se preparar para uma conversa difícil



Antes de realmente ter uma conversa difícil, é preciso se preparar. Especificamente, você precisa determinar o motivo/propósito da conversa, suas emoções sobre a conversa, convidar/permitir que a outra pessoa se prepare para a conversa, se adaptar para melhor atender às necessidades da conversa e entrar na conversa com otimismo. Abaixo, cada uma dessas etapas é discutida com mais detalhes.


Qual é o motivo/propósito para ter essa conversa?


Você precisa ser super claro sobre o propósito desta conversa, porque você precisa ancorar toda a conversa em torno dela. Alguns exemplos de propósitos podem ser:


  • Quero saber o que aconteceu da sua perspectiva.

  • Eu quero lhe dar uma chance de expressar seus pontos de vista/pensamentos.

  • Quero resolver os problemas juntos.


Após reflexão, você pode perceber que seu propósito é desabafar/ficar com raiva e, portanto, você provavelmente não precisa ter a conversa. Você também não precisa da conversa se o conflito está realmente dentro de você (por exemplo, você reconhece que tem problemas de controle e a pessoa realizou uma tarefa de uma maneira diferente, mas igualmente válida).


Depois de reconhecer seu propósito, reconheça também se pode haver uma maneira melhor de resolver a questão em vez de ter uma conversa. Por exemplo, talvez você tenha percebido que foi seu erro e só precisa mudar seu próprio comportamento daqui para frente. Deixar pra lá não significa que você não se importa mais, mas significa que uma conversa não é a melhor maneira de resolver o problema.


Identifique quais emoções estão conectadas a essa conversa ou podem ser desencadeadas em você.


Para ajudar a garantir que você possa ouvir ativamente durante a conversa, você precisa estar aberto. E ser aberto significa que você precisa saber com antecedência o que essa conversa realmente significa para você e o que pode ser desencadeado.


Compreender suas emoções também é entender o que você sente que está em jogo para você. Por exemplo, você está preocupado com as percepções dos outros sobre você ou está chateado? Reconheça que qualquer conversa difícil é complexa, e suas intenções por trás dela merecem tempo para serem exploradas.


Parte da compreensão das suas emoções envolverá reconhecer suas contribuições para o problema. Mesmo que você sinta que estava "certo", sempre contribuiu para o problema de alguma forma. Algumas contribuições comuns são ignorar o problema até que se torne um problema maior, ser inacessível e fazer suposições.


Com base nas suas emoções, comece a reformulá-las em uma conversa construtiva. Os sentimentos podem facilmente se transformar em julgamentos - "você deveria estar lá para mim", culpa - "você estava tentando me machucar" e caracterizações - "você é sempre irresponsável". Reconhecer essas emoções o ajudará a evitar essas armadilhas e possíveis gatilhos.


Convide a pessoa para ter uma conversa com base nesse propósito.


Tanto você quanto a outra pessoa precisam ter uma noção de qual é o propósito de toda a conversa e o que isso significa para você. Isso é essencial para ter um diálogo construtivo.

Convidar a pessoa para uma conversa difícil significa que você não pode simplesmente expressar seus sentimentos e gerar um impacto sem que o outro tenha a chance de pensar sobre a situação. Isso provavelmente resultará em reações defensivas ou impulsivas e em conversas sem sentido.


Quando você convidar a pessoa, expresse sua intenção, sem impor. Eles podem não querer ter uma conversa. Mas, se você disser: "Ei, eu senti que aquela decisão não foi tão boa quanto eu imaginava e eu queria ouvir sua opinião, e também discutir sobre o que poderíamos ter feito melhor", permite que eles reconheçam que você genuinamente quer ouvir o que eles pensam, bem como prepará-los para ouvir os seus. Você pode dizer: "Hoje mais tarde seria bom para você? Ou talvez na próxima semana?" Esse tipo de declaração ajuda você a estabelecer o nível de urgência, ao mesmo tempo em que dá à outra pessoa o controle de quanto tempo ela deseja se preparar.


Ao agendar a conversa, permita-se ter muito mais tempo do que você acha que precisa para ter essa conversa. Permitir o tempo demonstrará que você realmente quer ouvir e resolver o problema. Melhor ter tempo extra do que se sentir apressado ou ter que reiniciar a conversa mais tarde.


Determine a maneira correta de conversar com a pessoa.


Essa pode ser a parte mais complicada da conversa, porque não só exige que você tenha uma boa autoconsciência, mas também exige que você tenha o nível de inteligência emocional para realmente conhecer a pessoa com quem deseja conversar. Para lvar em consideração seu próprio estilo de conversa, como você costuma conversar? Você é direto? Você prefere processar a situação enquanto fala? Você prefere pensar antes de falar? Se você está lutando para entender seu estilo, pergunte a um parceiro, colega próximo e/ou membro da família. Então você precisa determinar: qual é o estilo de conversa da outra pessoa? O estilo deles e o seu são compatíveis ou você precisa ajustar para deixá-los mais confortáveis? Essa etapa é difícil porque a conversa já é difícil o suficiente, mas depois também ter que mudar seu estilo pode ser cansativo. Em caso de dúvida, não há problema em encontrar um equilíbrio para garantir que você permaneça autêntico.

Assuma a intenção positiva.

O último passo na preparação para a conversa é assumir que vocês dois não queriam que as coisas dessem errado e que ambos querem resolver o problema.

Tendemos a supor que, se estamos feridos, a outra pessoa pretendia nos machucar. No entanto, é improvável que uma pessoa estivesse intencionalmente tentando nos machucar. Lembre-se que é importante reconhecer que mesmo que você tenha a melhor das intenções, isso não significa que você mesmo ainda não prejudicou ou teve um impacto ruim sobre alguém. É provável que acusações apenas causem defesa. Evite acusações e se você se sentir acusado de ter má intenção, discuta qual foi sua verdadeira intenção. Realmente separar impacto e intenção é um passo muito importante. Agora que você (ambos) se sente preparado para ter a conversa, é hora de conversar.


Referências

Stone, D., Patton, B., & Heen, S. (1999). Conversas difíceis: como discutir o que é mais importante. NY: Grupo Pinguim.



Fonte: psychologytoday.com/us/blog/people-planet-profits/202008/how-prepare-difficult-conversation



Esta postagem não substitui a psicoterapia.

Procure um profissional da área para ajudá-lo.


Ivana Siqueira

Psicóloga Clínica

CRP 05|40028


Rio de Janeiro - RJ

Atendimento presencial e online

contato@ivanapsicologia.com



18 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo