Como ser mais gentil consigo mesmo



Um dos grandes mitos da auto-compaixão é que é sobre mentir para si mesmo. Ou, é sobre ser fraco ou preguiçoso. Outro mito é que é deixar de lado seus pensamentos difíceis e dizer: "Agora vou me dizer cinco coisas positivas".


Isso não é auto-compaixão. Quando você é auto-compassivo, na verdade está fazendo algo muito específico para si mesmo - está percebendo pensamentos difíceis e criando uma sensação de segurança psicológica para si mesmo.

Você está criando um espaço no qual se sente capaz de correr riscos. Se você se bater sempre que falha ou fica aquém, isso naturalmente o impede de tentar coisas novas e de se arriscar. Mas quando você é auto-compassivo, sabe que mesmo se falhar, ainda gostará de si mesmo. Dessa maneira, a autocompaixão lhe dá a capacidade de experimentar, explorar e ser corajoso.


Em pesquisas, as pessoas que têm maiores níveis de autocompaixão tendem a ser mais motivadas, menos preguiçosas e mais bem-sucedidas ao longo do tempo. Eles ainda reconhecem onde erraram, mas, em vez de se sentirem culpados e julgados, podem aprender com a experiência, se adaptar e mudar de rumo na próxima vez.


Então, como você pode cultivar a autocompaixão? Comece terminando o cabo de guerra dentro de si. Em uma pesquisa que analisou mais de 70.000 pessoas, descobri que cerca de um terço dos participantes julgava suas experiências e emoções normais como "boas" ou "ruins", "positivas" ou "negativas". Quando você avalia sua vida de maneira tão em preto e branco, entra em um cabo de guerra interno - se critica sempre que sente emoções "ruins" ou "negativas" e sempre que não se sente " emoções boas ou positivas.


Para parar o cabo de guerra, basta soltar a corda. Quando experimentamos uma emoção desafiadora como tristeza ou decepção, muitos de nós respondem dizendo a nós mesmos: “Isso é ruim; eu não deveria estar sentindo isso. Por que não posso ser mais positivo?!?” E então seguimos esse julgamento com mais julgamento - nos repreendemos por não sermos auto-compassivos. Da próxima vez que isso acontecer, tente dizer para si mesmo: “Estou me sentindo triste. Esta tristeza está me sinalizando o que? O que isso aponta para o que é importante para mim? O que isso está me ensinando?”


Pense em suas emoções e pensamentos difíceis como dados. Eles podem fornecer informações valiosas sobre quem você é e o que realmente importa. A autocompaixão permite que você reconheça e aceite todos os seus sentimentos, mesmo quando negativos. Por exemplo, você pode perceber que está se sentindo realmente frustrado no trabalho. Então, se pergunte: “O que esta frustração está querendo me sinalizar? O que está me dizendo sobre o que é importante para mim?


Para uma pessoa, a frustração pode ser um sinal de que sua voz não está sendo ouvida. Para outra pessoa, essa frustração pode ser uma indicação de que ele não está crescendo em seu trabalho. Ao fazer perguntas sobre suas emoções desconfortáveis, você ganha um maior nível de perspectiva sobre si mesmo e desperta sua curiosidade sobre quem você é como ser humano.


Quando você pode ficar curioso sobre suas experiências, está 50% do caminho para ser auto-compassivo. Porque naquele momento, você não está julgando a si mesmo e suas emoções. Em vez disso, você está olhando para eles e aprendendo com eles. Você também pode usar esse processo para descobrir a ação mais sábia a ser tomada. Acompanhe suas observações se perguntando: "O que eu poderia fazer nessa situação que melhor me servisse, meus valores e meus objetivos?"


Se você tiver problemas para ser auto-compassivo, não se machuque. Quando você está tendo um dia de falta de auto-compaixão, é realmente importante não se criticar. Uma coisa que pode ajudar é se olhar de um ângulo diferente. Todos nós temos uma versão infantil de nós mesmos que vive dentro de nós.


Imagine se uma criança viesse até você e dissesse: "Ninguém quer ficar comigo" ou "Estou triste" ou "Tentei ir bem nesse trabalho, mas não consegui", você os puniria? Claro que não. Você os abraçaria, os amaria e os ouviria. Às vezes, como adulto, quando não temos auto-compaixão, pode ajudar você se conectar com a criança em você e descobrir o que ela precisa. Então, quando você está tentando acessar a autocompaixão, pergunte: “Percebo que estou sentindo uma emoção X. O que é que a criança em mim precisa agora?"


Por fim, a auto-compaixão é reconhecer o que significa ser humano. Desconforto, estresse, decepção, perda e dor fazem parte da jornada humana. Se não somos capazes de entrar em um espaço de bondade para nós mesmos, estamos nos colocando em desacordo com a realidade da vida. Outra característica da humanidade é a imperfeição: ser humano é ser imperfeito e cometer erros. A autocompaixão é uma parte necessária da nossa jornada; trata-se de reconhecer que você está fazendo o melhor que pode - com quem você é, com o que tem e com os recursos que recebeu.


Fonte: https://ideas.ted.com/how-to-be-kinder-to-yourself-self-compassion/ (traduzido e adaptado)



Esta postagem não substitui a psicoterapia.

Procure um profissional da área para ajudá-lo.


Ivana Siqueira

Psicóloga Clínica

CRP 05|40028

Rio de Janeiro - RJ

Atendimento presencial e online

contato@ivanapsicologia.com

1 visualização

Atendimento presencial e online

Endereços:

Saens Pena Medical Center

Rua Conde de Bonfim, 255

Tijuca, Rio de Janeiro, RJ

Barra Point Shopping

Av. Armando Lombardi, 350

Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ

Contato:

Horários:

Tijuca

Segunda: 10h às 20h

Terça: 08h às 20h

Quinta: 08h às 20h

Sexta: 08h às 20h

Barra da Tijuca

Quarta: 10h às 21h

  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle

© 2018 by Ivana Siqueira. Todos os direitos reservados.